G
Golpeia constantemente
O meu pobre coração
Esse sentimento nobre
Que me arria até o chão
Do desespero profundo,
Da saudade e da paixão.

H
Há tempo não canto mais
Foi se embora a alegria.
Eu não consigo entoar
Uma simples melodia.
Como poderei cantar
Em profunda nostalgia?

Nós estamos desmatando
Todos os campos florestais
Com isso está se acabando
Os recursos naturais
Quando acabar nosso ar
Onde iremos buscar mais?

A sujeira aqui em baixo
Já está fazendo mal
E o Homem achando pouco
Lá no Espaço Sideral
Contamina nossa órbita
Com o lixo espacial.

Quando completou dez meses
Conforme a ultra dizia
Chamou um veterinário
Que pagou boa quantia
Pra fazer uma cesária
Na sua filha ordinária
Lá mesmo na estribaria.

Valdemar pegou seu neto
Começou logo abraçá-lo
O beijando com carinho
Dizendo: – Eu vou amá-lo,
Fazendo cosquinha nele
E cheirando a pinta dele
A pintinha do cavalo.