Mandou ensinar primeiro
Música e Filosofia
Ela sem mestre aprendeu
Metafísica e Astrologia
Descrever com distinção
História e Anatomia.

Ela que já era um ente
Nascida por excelência
Como quem tivesse vindo
Das entranhas da ciência
Tinha por pai o saber
E por mãe a inteligência.

José era um rapaz que
Não tinha comportamento
Antes de ser valentão
Justou logo o casamento
Contava dezoito anos
Quase inda sem crescimento.

Chiquinha, boa mulher
Tratava bem do marido
Porém José Colatino
Empregou o seu sentido
Arrotando valentia
Tornou-se um rapaz perdido.

Pra saber de Lampião
qual foi a parada sua
subi à Terra da Lua
escanchado num vulcão
encontrei um ancião
velho, barbado e corcundo
Que vinha do fim do mundo
me viu e foi me contando
que viu São Pedro açoitando
um espírito vagabundo.

Chegou no céu Lampião
a porta estava fechada
ele subiu a calçada
ali bateu com a mão
ninguém lhe deu atenção
ele tornou a bater
ouviu São Pedro dizer:
– Demore-se lá, que é?
Estou tomando café
depois o vou receber.